21-08-2017

O Opinião

Andreas von der Heydt

Andreas von der Heydt

Head e Diretor de conteúdo Kindle na Amazon

 


Como superar as metas (e ter sucesso)

Para nos auto motivarmos, para impulsionarmos o crescimento pessoal, e, em última instância, sermos mais bem-sucedidos, podemos seguir três modelos eficazes no sentido de atingir e superar as metas estabelecidas.

Nas sessões de coaching é frequente os meus clientes pedirem conselhos sobre como hão de conseguir levar as coisas para a frente, e como podem atingir os seus objetivos. Claro que não há a solução “one-size-fits-all”. Depende – como pode imaginar – de muitas variáveis, ​​como as situações específicas dos clientes, as suas experiências, atitudes, crenças, perceções, objetivos, motivações, etc.

Ainda assim, há três modelos poderosos que abrangem princípios únicos que são altamente eficazes e podem ser aplicados por todos para atingir as metas estabelecidas, para se auto motivarem, para impulsionar o crescimento pessoal, e, em última instância, ser mais bem-sucedidos. E que gostava de partilhar:

 

Modelo Done

Baseia-se no pressuposto de que o feito (done) gera mais. Ou seja, que, com tudo o que fez, vai conseguir espoletar – e, eventualmente, fazer – algo mais. A peça central deste modelo é o Done Manifesto, que se apoia em 13 princípios:

1. Há três estados de ser/existir. Não saber, ação e conclusão.
2. Aceitar que tudo é um esboço. Ajuda a que as coisas sejam feitas.
3. Não há nenhuma fase de edição.
4. Fingir que sabe o que está a fazer é quase o mesmo que saber o que está a fazer, então aceite que sabe o que está a fazer, mesmo que não saiba, e faça-o.
5. Rejeite a procrastinação. Se esperar mais de uma semana para ter algo feito/concretizar uma ideia, deixe de lado.
6. O objetivo de algo ficar feito não é terminar/concluir, mas conseguir fazer outras coisas a seguir.
7. Assim que estiver pronto pode mandar fora.
8. Ria da perfeição. É aborrecida e impede que seja feito.
9. As pessoas sem as mãos sujas estão erradas. Fazer algo faz com que a pessoa esteja certa.
10. Falhar conta como estando feito. Então, cometa erros.
11. A destruição é uma variante do feito.
12. Se tem uma ideia e a publica online, conta como feito.
13. Feito é o motor de mais.

Avaliação: 
O modelo Done leva a começar com princípios precisos e simples. A perfeição – se é que a atinge – vem depois. Porquê? A perfeição só pode acontecer se houver algo para aperfeiçoar depois de ter sido criado/feito.

 

Modelo Tornar Melhor
Bem, o nome diz tudo. Ou seja, que vai aplicando, em fases consecutivas, técnicas que ajudam a desenvolver as suas criações com o intuito de as melhorar de forma significativa.

Fase 1: Analisar. Veja o que funcionou/não funcionou. Mergulhe fundo para identificar as razões subjacentes e possíveis padrões.

Fase 2: Esclarecer e refletir. Dê um passo atrás e reveja, com a devida distância, os resultados da primeira fase. Faça perguntas críticas, desafie os pressupostos iniciais, a seguir conclua e mantenha-se firme.

Fase 3: Estrutura e foco. Organize as suas conclusões resultantes da etapa anterior e torne-as tangíveis, ao descrever e classificar cada uma delas de acordo com a sua prioridade. Mas tenha o cuidado de limitar o seu enfoque a um máximo de 3-4 iniciativas principais para cada período de tempo.

Fase 4: Envolver e executar. Assuma a responsabilidade total, a propriedade, e lidere com paixão.

Avaliação:
O modelo Tornar Melhor ajuda a que os seus produtos/serviços fiquem extraordinários. É crucial que verifique as quatro etapas por ordem cronológica. Este modelo deve ser executado em paralelo com o Done, ou seja, enquanto leva algo à perfeição está a criar constantemente coisas novas, ao começar a fazê-las.

 

Modelo Keep It Flying
Por contraste com os dois modelos anteriores, este aborda as dimensões motivacionais e emocionais do indivíduo. Baseia-se nas seguintes convicções:

1. Só pode continuar a fazer as suas tarefas se estiver apaixonado por elas.
2. Só pode estar apaixonado pelas suas tarefas (especialmente a longo prazo), se adorar o que faz.
3. Para manter viva a paixão pelo que faz, precisa de dois ingredientes principais: (i) recompensas e reconhecimento financeiros e não financeiros; (Ii) tempo para si próprio para recarregar as baterias (o chamado “me time”, ou seja, ter tempo suficiente para tratar de si sem qualquer tipo de culpa).

Avaliação: 
O Modelo Keep It Flying surge da convicção de que, para se ser saudável ​​e sentir motivado a longo termo, logo, para ter sucesso sustentado, o reconhecimento financeiro e não-financeiro não é suficiente. E acrescenta o conceito “me time”.

Câmara do Comércio e Indústria Luso-Sul Africana

Fundada em 1980
Sem fins Lucrativos
Registada em Portugal e África do Sul

Email:

Info@ccilsa.org

Tlf:

+351 213 833 090